Menina de 10 anos está 'aliviada' e quer 'recuperar sua vida', diz médico

Entretenimento 17/08/2020 16:16 Relatar

O médico Olímpio Barbosa de Moraes Filho, diretor do hospital em Recife onde a menina de 10 anos do Espírito Santo realizou aborto após engravidar como resultado de estupro, disse à Globo News que ela está se sentindo "aliviada" após o fim do procedimento.

Ela está bem aliviada. O sofrimento nesses últimos dias foi terrível, as ameaças que ela sofreu. Eu espero que esse sofrimento daqui para a frente seja atenuado, e vai depender muito de como o caso vai ser conduzido, respeitando o sigilo, para que ela possa recuperar a sua vida."

Mais cedo, ao Bom Dia ES, o médico contou que a menina estava em um quarto com a avó e uma assistente social. Ele elogiou a equipe do hospital, citando especialmente os profissionais que faziam a acompanhamento psicológico da paciente.

O Dr. Barbosa criticou também o vazamento do nome da menina e do hospital onde seria tratada — informações divulgadas pela militante de extrema direita Sara Winter, pelo Twitter.

Neste caso houve uma [segunda] violência, que foi a quebra do sigilo da identidade da criança, e isso não deve acontecer. Temos que proteger a criança. Ela tem um futuro de vida pela frente, não pode ser exposta."

Ética médica O doutor falou ainda sobre a recusa dos médicos do Huscam (Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes), do Espírito Santo, em realizar o procedimento. Os profissionais alegaram que não tinham protocolo para interromper uma gravidez avançada como a da menina.

O código de ética médico permite a objeção de consciência verdadeira, isso acontece. Mas ele [o médico] tem a obrigação também de não inviabilizar o direito a saúde. Deve ser dada uma opção, não pode ser negada."

O médico comentou também que a "consciência" de um profissional de saúde muda com o tempo. "A gente vai entendendo o sofrimento, mudando o pensamento, e faz parte do crescimento humano. Quando você tem acesso, vê na prática o que é esse sofrimento, você muda", disse.

'Ato de tortura' Para o Dr, Barbosa e sua equipe, manter a gravidez de uma criança contra a sua vontade e a vontade da família seria "um ato de tortura". "Colocaria em risco a vida da paciente, ou no mínimo a sua saúde mental", definiu. Infelizmente, o estupro é muito comum no Brasil, e, mais triste ainda, com crianças. Lamento muito que muitas pessoas não tenham acesso a informação. Então tem crianças sendo violentadas, engravidando e levando a gravidez até o termo. Muitas vezes só ficamos sabendo [por causa] de complicações. É sabido também que a principal causa de suicídio em adolescentes é a gravidez indesejada."

Parte do conteúdo do artigo é proveniente da Internet. Se seus direitos de privacidade forem violados, o site será processado o mais rápido possível. Relatar
Artigos recomendados

©2020 yeereader.com. All Rights Reserved. Sobre nós Política e segurança Termos Privacidade Direitos autorais

Isenção de responsabilidade:Este site opera enviando artigos em tempo real e não assume nenhuma responsabilidade legal pela autenticidade, integridade e posição de todos os artigos. O conteúdo de todos os artigos representa apenas as opiniões pessoais do autor e não é a posição deste Site. Os usuários devem julgar a autenticidade do conteúdo. O autor possui os direitos autorais do artigo publicado neste site. Como este site é restrito pelo modo de operação "publicação em tempo real", não podemos monitorar completamente todos os artigos. Se os leitores encontrarem problemas, entre em contato conosco. Este site tem o direito de excluir qualquer conteúdo e recusar qualquer pessoa a publicar artigos neste site e também o direito de não excluir o artigo.Não escreva palavrões, calúnia, violência pornográfica ou ataques pessoais, seja disciplinado. Este site reserva todos os direitos legais.
TOP
X
Relatar
Use um endereço de e-mail real. Se não pudermos entrar em contato com você, não poderemos processar seu relatório.